Todos os Horários estão como UTC - 3 horas




Criar novo tópico Responder Tópico  [ 15 Mensagens ] 
 

Preparação - Glossário de termos técnicos
Autor Mensagem
MensagemEnviado: 12 Fev 2008, 14:19 
Offline
Kadetteiro Residente
Kadetteiro Residente
Avatar de usuário

Data de registro: 01 Ago 2006, 19:41
Mensagens: 2573
Localização: Campinas - SP
Preparação - Glossário de termos técnicos


Acelerador eletrônico (drive-by-wire): comando de acelerador em que o movimento do pedal é transmitido para a central eletrônica do motor. Esta então analisa o movimento e outras condições, como a rotação do motor, para comandar a abertura da borboleta de aceleração, que é feita por um motor elétrico. Além de eliminar o cabo, que pode se desgastar ou transmitir vibrações vindas do motor, o sistema facilita obter suavidade quando se acelera ou se tira o pé rapidamente, evitando trancos.


Acionamento de válvulas por alavanca roletada: sistema utilizado no comando de válvulas de alguns motores (como os atuais 1,0 e 1,6 da Ford, Renault e Volkswagen) que utiliza roletes nas alavancas tipo dedo, responsáveis por acionar as válvulas. A solução reduz o atrito e permite utilizar perfil de cames mais esportivo (saiba mais).


Árvore de balanceamento: espécie de eixo acionado por engrenagens, que gira em sentido contrário ao do virabrequim e em geral com o dobro de sua velocidade. O objetivo é anular as forças de inércia de segunda ordem, que provocam vibrações e aspereza ao motor (saiba mais).


Aspirado: ou naturalmente aspirado; diz-se do motor que não recorre a nenhum tipo de sobrealimentação, como turbo ou compressor mecânico. No motor aspirado o ar é admitido por aspiração natural e não "empurrado" por um sistema compressor. A expressão "aspirar o motor" não é correta, mas pretende referir-se à preparação efetuada num motor aspirado sem uso de sobrealimentador.


Assistência adicional de frenagem: sistema introduzido pela Mercedes-Benz, que o denomina BAS, corrige a aplicação insuficiente de pressão no pedal do freio pelo motorista, em freadas de emergência, ou compensa o alívio dessa pressão quando o pedal pulsa, por causa da atuação do antitravamento (ABS). Testes demonstraram que muitos motoristas incorrem nestes erros, desperdiçando o potencial de frenagem do automóvel. O BAS detecta a rapidez de acionamento do freio e amplia sua atuação, reduzindo os espaços de imobilização em até 45%, segundo a Mercedes.


Balanço: no sentido dimensional, é a medida entre o centro de uma roda e aquela extremidade do veículo. Portanto, a soma dos balanços dianteiro e traseiro à distância entre eixos resulta no comprimento total do veículo. A tendência atual é de balanços cada vez menores, pois o entreeixos vem crescendo na maioria dos automóveis sem alteração significativa no comprimento.


Barra de amarração: ou stress-bar, é um elemento metálico que interliga as torres de uma suspensão, a fim de reduzir a movimentação do chassi provocada pelas solicitações em curvas fortes. O objetivo é manter inalterada a geometria da suspensão, com ganho em estabilidade. Pode ser montada à frente ou atrás, bem como ser conectada a um terceiro ponto, estabelecendo uma triangulação que acentua seu efeito. Entre os carros nacionais equipa o novo Fiesta e equipava os Omegas 3,0 e 4,1.


Batente hidráulico: dispositivo aplicado ao amortecedor para suavizar o movimento de distensão (abertura) do componente, como ao passar por uma lombada de perfil alto ou descer de uma calçada. Sem ele, o amortecedor emite um ruído ao atingir o batente. Adotá-lo é providência relativamente comum no processo de adaptação de um carro à produção nacional.


Booster: equipamento ou sistema desenvolvido para aumentar, por certo período de tempo, a pressão de sobrealimentação de um motor. Seu uso normal seria para aumentar momentaneamente a pressão acima do projetado para o motor, afim de ter potência extra para uma arrancada ou retomada. Mas muitos preparadores preferem fazer motores dimensionados para a pressão de booster, prevendo que o usuário poderá utilizar esta pressão por um tempo prolongado.


Boxer: motor com cilindros opostos pela base, podendo ter apenas dois (como em motos BMW, Citroën 2CV e Dyna Panhard), quatro (Fusca, Porsches 356 e 912, a maioria dos Subarus), seis (Chevrolet Corvair, Porsche 911 e Boxster) ou mesmo 12 (Ferrari Testarossa, Berlinetta Boxer). A disposição tem como vantagens a baixa altura, que permite adotar um capô mais baixo (para melhor aerodinâmica) ou montá-lo em posição inferior no chassi (para baixar o centro de gravidade). O nome origina-se da semelhança do movimento de seus pistões ao dos braços de um boxeador durante uma luta. Normalmente é montado em posição horizontal, mas pode ser vertical, como em certos helicópteros mais antigos, de motor a pistão.


Câmara de combustão hemisférica: assim chamada porque seu formato é aproximadamente de uma semi-esfera, ao contrário de outras dos mais variados aspectos, tem como vantagem a posição central da vela de ignição, portanto eqüidistante de todos os pontos da câmara. Esta é a melhor condição para uma combustão por igual, um dos fatores que reduzem as possibilidades de detonação.


Câmbio 4+E: chama-se assim, com o E significando economia, o câmbio de cinco marchas em que a quinta, por sua relação longa, não permite aumento da velocidade máxima, esta sendo atingida em quarta. O efeito de uma quinta marcha longa é a redução das rotações em viagem, com benefícios ao nível de ruído e à economia de combustível. Em contrapartida, esse tipo de câmbio requer reduções de marcha mais freqüentes em aclives e ultrapassagens. Saiba mais.


Cárter seco: sistema de lubrificação em que o óleo não fica depositado num cárter convencional, na parte inferior do motor, mas em um reservatório separado em outra localização do veículo. A maior vantagem é a possibilidade de montar o motor mais baixo no chassi, baixando o centro de gravidade e melhorando o comportamento dinâmico.


Cfm ou pés3/min: siglas para o inglês cubic feet per minute e sua tradução em português, pés cúbicos por minuto, são a medida americana de vazão, usada normalmente para indicar a capacidade máxima de um carburador.


Close-ratio: indica relações de marcha "fechadas", ou mais próximas entre si se comparadas às de um câmbio wide-ratio (relações afastadas). Um câmbio com essa característica provoca pequena queda de rotações nas trocas de marcha ascendentes, tornando-se adequado a motores mais esportivos, em que a potência e o torque máximo manifestam-se numa faixa de giros estreita.


Código de velocidade: especificação do pneu que define a máxima velocidade que o veículo pode desenvolver, com carga máxima e por um certo período, sem o risco de perder a banda de rodagem por causa da força centrífuga (que tende a expulsá-la do pneu). Na medida 185/60 R 14 H, por exemplo, é representada pela letra H, que por convenção significa 210 km/h.


Coeficiente aerodinâmico (Cx): valor que exprime a maior ou menor facilidade com que o veículo rompe o ar a sua frente. Quanto menor o valor, mais fácil esse rompimento e, por conseqüência, menor o consumo de combustível em uma mesma velocidade. Um bom valor hoje, em carros de passeio, é 0,30. Automóveis mais curtos em geral têm pior Cx, assim como picapes. Saiba mais sobre aerodinâmica.


Coletor de admissão de geometria variável: possui dois dutos, um mais curto e outro mais longo. Uma borboleta, gerenciada pela central eletrônica, determina se o ar aspirado deve fazer um percurso ou outro. Se ela está fechada, o ar vai para o duto longo; se está aberta, vai para o duto curto. Uma vez que coletores curtos favorecem a potência e coletores longos melhoram o torque em baixas rotações, esse mecanismo faz com que o motor trabalhe sempre na configuração mais adequada ao regime de giros utilizado.


Coletor de escapamento dimensionado: feito de forma a permitir menor restrição ao fluxo de gases de escapamento e com a resistência ao fluxo igual para todos os cilindros. Isso não implica que o comprimento dos tubos seja o mesmo, mas que ofereçam uma mesma resistência. A nomenclatura AxB significa A tubos de entrada, em geral igual ao número de cilindros, e B tubos de saída, no final do sistema de escapamento. Por exemplo, 4x1 ou 4-em-1.


Comando de válvulas variável: sistema de controle das válvulas, responsáveis pela admissão de mistura ar-combustível e saída de gases queimados do motor, que atua em duas ou mais configurações (diagramas). No caso do VTEC da Honda, cada par de válvulas possui três ressaltos: dois iguais nas extremidades e um diferente no meio. Em rotações baixas e médias, apenas os ressaltos externos, "mansos", acionam as válvulas. Atingido um regime predeterminado, a pressão do óleo do motor, comandada eletronicamente, coloca em funcionamento o ressalto "bravo" central. O motor assume então um novo diagrama de comando, com maior abertura e levantamento, que transforma seu desempenho e o leva até rotações incomuns. Outras marcas possuem sistemas similares, como o Double VANOS da BMW e o VVTi da Toyota.


Controlador de velocidade de cruzeiro: ou controle automático de velocidade, é um sistema que mantém a velocidade estabelecida pelo motorista sem o uso do acelerador. Compensa, dentro do possível, as variações causadas pela topografia da estrada (subidas e descidas), além de se desligar ao ser pressionado o freio ou a embreagem. Também conhecido, de forma imprecisa, por piloto automático.


Controle de estabilidade (ESP): sistema de segurança destinado a corrigir derrapagens e recolocar o veículo na trajetória desejada. Atua reduzindo ou interrompendo a potência do motor e freando individualmente uma ou mais rodas, sem qualquer intervenção do motorista. No Brasil surgiu com o Mercedes Classe A e aos poucos vem equipando outros modelos, como Golf GTI e Stilo Abarth. Saiba mais

Desligamento automático de cilindros: sistema utilizado pela Mercedes em seus mais novos motores V8 e V12, que desliga quatro ou seis dos cilindros nos regimes baixos e médios de rotação. Representa economia adicional de até 15% a 90 km/h constantes, no caso do V8 de 5 litros. Os cilindros voltam a trabalhar de imediato se o motorista acelerar. O sistema diminui a potência máxima do motor, mas mantém o mesmo valor de torque máximo.


Desmodrômico: tipo de comando de válvulas que utiliza balancins de comando hidráulico, fixos aos comandos e às válvulas, tanto para abri-las quanto para fechá-las, dispensando as molas. Isso evita o fenômeno da flutuação de válvulas em alta rotação, permite aumentar a duração do comando, mantendo-as abertas por mais tempo, e adotar perfis de cames acentuados -- nos dois casos, melhora o enchimento dos cilindros.


Detonação: combustão espontânea da mistura ar-combustível após a ocorrência da centelha na vela de ignição. Leva ao aparecimento de mais de uma frente de chama, que ao se chocarem elevam subitamente a pressão e a temperatura na câmara de combustão. Provoca um ruído metálico ("grilo") que se assemelha ao de bolinhas de gude dentro de um copo -- no vocabulário comum, "batida de pino". É causada em geral por taxa de compressão muito elevada, ponto de ignição muito avançado, vela de especificação incorreta ou combustível de baixa qualidade. Se persistir por algum tempo, a elevação de temperatura pode levar a uma trinca no cabeçote, um furo na cabeça do pistão ou à fundição do cilindro.


Direção com assistência elétrica: sistema em que um motor elétrico substitui a bomba hidráulica da assistência convencional. Entre as vantagens estão menor consumo de energia do motor, ausência de fluido (o que reduz a manutenção e é benéfico ao meio-ambiente) e a facilidade ao fabricante de ampliar a assistência quando desejado, como no sistema Dual Drive do Fiat Stilo (um botão no console aciona a função City, que torna a direção 50% mais leve).


Eixo autodirecional: utilizado na suspensão traseira de modelos Peugeot e Citroën, entre outros, faz com que a roda externa à curva assuma posição convergente sob carga, ou seja, vire-se em pequeno ângulo na mesma direção das rodas dianteiras. Previne o sobresterço ou saída de traseira, comportamento de correção mais difícil, pelo motorista comum, que o subesterço ou saída de frente.


Eixo traseiro De Dion: construção para o eixo traseiro rígido em que o diferencial está suspenso e não incluído no próprio eixo, o que reduz a massa não-suspensa e melhora o comportamento da suspensão. Foi muito utilizado em carros de alto desempenho nas décadas de 60 e 70, quando suspensões traseiras independentes eram pouco comuns.


Eletroidráulica: tipo de assistência de direção em que a bomba é acionada por um servomotor elétrico, acoplado à coluna de direção, e não mais pelo próprio motor, via correia. Com isso, consome menos energia do motor e torna a assistência independente do regime de giros.


Estol: do inglês stall, indica o regime máximo de rotações que uma transmissão automática permite ao motor com uma marcha engatada e o veículo retido pelos freios. Em geral fica entre 2.000 e 3.000 rpm. Uma rotação de estol mais elevada permite aceleração mais rápida.


Fastback: traduzível por "traseira de queda rápida", é uma configuração de carroceria de dois volumes e com a traseira inclinada, tanto quanto num hatchback. A diferença entre estes é que no fastback o vidro traseiro não está incorporado à tampa do porta-malas. São exemplos: Volkswagen TL, Passat de duas e quatro portas.


Flutuação de válvulas: fenômeno que ocorre em rotações excessivamente altas, em que as válvulas não conseguem abrir e fechar com a rapidez necessária, tornando então irregular o enchimento e a exaustão de gases dos cilindros.


Fluxo cruzado: cross flow em inglês, é a configuração do cabeçote em que a admissão se processa por um lado e o escapamento pelo outro. Permite uma combustão mais perfeita e menores emissões poluentes. Como exemplo, o motor VW 2,0 importado (Golf, Bora, Beetle) possui fluxo cruzado, mas não seu equivalente nacional (Gol, Santana).


Injeção de óxido nitroso: popularmente conhecido por nitro, é um sistema de preparação que consiste em injetar um gás, o óxido nitroso (N2O), junto a uma quantidade adicional de combustível no motor. Ao entrar em contato com o calor da câmara de combustão, o N2O se dissocia em oxigênio e nitrogênio. O oxigênio atua então como comburente para o combustível e o nitrogênio resfria a câmara, ajudando a evitar a detonação ou a pré-ignição.


Injeção de óxido nitroso, configuração em coletor úmido: consiste em colocar o(s) injetor(es) do kit nitro antes da borboleta de admissão. Esta configuração é a mais simples, mas é a de menor eficiência, recomendada para kits com aumento de potência inferior a 120 cv. A expressão coletor úmido deriva do fato de a mistura injetada passar pel o coletor.


Injeção de óxido nitroso, configuração em coletor seco: consiste em colocar os injetores do kit nitro após a borboleta de admissão. Esta configuração é a mais complexa, mas atinge maior eficiência, sendo recomendada para kits com aumento de potência superior a 120 cv.


Injeção seqüencial: tipo de injeção de combustível multiponto que injeta a mistura em seqüência, no exato momento da admissão de cada cilindro (este momento varia ligeiramente, pois os pistões não se movem no mesmo exato momento). Permite ligeiro ganho de potência e redução no consumo se comparada à injeção multiponto simultânea, convencional. No Brasil foi introduzida em 1993, no Vectra GSi 2,0 16V, e hoje equipa a maioria dos motores a gasolina e a álcool.


Massa não-suspensa: compreende todos os componentes que não ficam suspensos pelas molas da suspensão do veículo, como rodas, pneus, discos e tambores de freio. Quanto menor essa massa, melhor o comportamento da suspensão em pisos irregulares, maior a aceleração e mais eficientes as frenagens.


Método carga: modo de condução em que se usa maior abertura de acelerador (carga) e menor rotação para obter o mesmo desempenho. É a forma mais econômica de se dirigir em motores do ciclo Otto (gasolina, álcool, gás natural) de quatro tempos (saiba mais).


Monobloco: estrutura em que chassi e carroceria formam uma única peça. Hoje utilizado em todos os automóveis, proporciona menor peso e melhor comportamento dinâmico que o tradicional chassi de longarinas, ainda bastante empregado em utilitários.


Octanas RON e MON: as octanas indicam a octanagem da gasolina, que representa sua resistência à detonação. Quanto maior a octanagem, menos provável a detonação, portanto mais elevada pode ser a taxa de compressão (para melhores desempenho e consumo) sem riscos para o motor. O método RON, utilizado pelos europeus, obtém números mais altos que o MON (nos EUA usa-se a média aritmética entre MON e RON). Pelos números RON, a gasolina Podium atinge 101 octanas, a premium 98 e a comum/aditivada 95. Pelo padrão IAD, usado nos EUA, a Podium tem 95 octanas, a premium 91 e a comum/aditivada 87.


Panhard: barra destinada a promover a locação transversal de um eixo de automóvel quando as molas são do tipo helicoidal. A barra Panhard une o eixo ao chassi. Com molas tipo flexão (lâmina única ou em feixe), são elas próprias que se encarregam da locação transversal.


Potência bruta: obtida em método de medição em que o motor fica dispensado de movimentar os sistemas de apoio, como alternador e bomba d'água, e é medido sem silenciadores que causem restrições no sistema de escapamento. Como esses sistemas consomem potência para funcionar, sua retirada na medição resulta em valor de potência bem mais alto. Mas o motor não pode trabalhar sem seus sistemas de apoio, nem o carro circular por ruas sem silenciador, o que levou a uma normatização a respeito. Os fabricantes passaram então a ter de divulgar a potência líquida, ou seja, aquela obtida com o motor movimentando todos os componentes.


Potência específica: fator expresso em cv/l (cavalos por litro) e obtido com a divisão da potência máxima pela cilindrada. Expressa o desenvolvimento do motor em termos de esportividade: quanto mais alta a potência específica, mais alto tende a ser o regime em que se observa o torque máximo, o que se reflete em menor força em baixas rotações.


Pré-ignição: muitas vezes confundida com a detonação, é a combustão espontânea da mistura ar-combustível antes do aparecimento da centelha na vela, daí não apresentar como sintoma o ruído metálico conhecido como "grilo". Leva a aumento de temperatura e pressão na câmara de combustão e queda no rendimento, podendo furar pistões, derreter velas ou fundir o motor. O sintoma é a brusca elevação da temperatura do motor estando todo o sistema de refrigeração em ordem.


Punta-tacco: ponta e salto (do sapato) em italiano, é um recurso utilizado para elevar a rotação do motor nas reduções de marcha, por meio de uma breve acelerada, antes de soltar o pedal de embreagem. Para essa acelerada enquanto se está freando, a ponta é colocada no pedal de freio e o salto (na verdade o lado direito do sapato) no acelerador. Assim, conseguem-se movimentar três pedais com dois pés. A técnica é muito útil também ao arrancar numa subida, dispensando o uso do freio de estacionamento.


Ram Air Induction: ou sistema de admissão induzida, consiste em uma tubulação de admissão que aproveitar a energia cinética do ar que vai de encontro à frente do veículo para induzir a admissão nos cilindros. O efeito é algo semelhante ao que faria um compressor tipo Roots ou blower, mas em escala bem menor.


Relação r/l: fator do projeto de motores que relaciona o meio-curso dos pistões (raio da manivela do virabrequim) e o comprimento das bielas (medido entre os centros dos furos). Se a divisão dessas grandezas superar 0,3, surgem forças que produzem vibração e aspereza no motor e prejudicam o desempenho, sobretudo em regime elevado. Saiba mais


Remapeamento de injeção: é a reprogramação do chip ("cérebro") do sistema eletrônico que controla a injeção e, em geral, também a ignição do motor. Se efetuado com critério, pode resultar em ganho de potência e torque da ordem de 10%, sendo um dos meios mais baratos de aumentar o desempenho de um motor a injeção. Pode também ser efetuado para adaptar o motor à instalação de componentes como um turbocompressor.


Resfriador de ar ou intercooler: sistema de troca de calor que pode ser adotado em motores superalimentados (com turbo ou compressor). Similar a um radiador, reduz a temperatura do ar que passou pelo compressor antes que se misture ao combustível. O ar frio é mais denso, ocupa menos espaço e por isso uma maior quantidade pode ser comprimida para dentro dos cilindros, o que aumenta o enchimento destes e, por conseqüência, o rendimento volumétrico. Também concorre para afastar o risco de detonação.


Sensor de detonação: sensor instalado nas câmaras de combustão, dentro dos cilindros, que detecta a ocorrência de detonação. A central eletrônica, então, comanda que o ponto de ignição seja atrasado até que cesse a detonação. Motores com esse recurso podem utilizar curva de ignição mais avançada e/ou taxa de compressão mais alta sem riscos de danos por detonação.


Sensor de oxigênio: também chamado de sonda lambda, é instalado no sistema de escapamento para analisar a qualidade da combustão da mistura ar-combustível, detectando se houver excesso de combustível (mistura rica) ou sua falta (mistura pobre). Em qualquer dos casos, a informação é transmitida para a central eletrônica do motor, para que reajuste a mistura.


Sincronizada: marcha que possui sincronizador e, por isso, pode ser engatada com o veículo em movimento. É o caso das marchas à frente de todos os automóveis atuais e da marcha a ré de alguns modelos, como Mercedes Classe A e Vectra desde 2001. No início da indústria brasileira os automóveis tinham primeira marcha "seca", sem sincronizador, o que exigia a parada do veículo para seu engate.


Sobresterço: comportamento em curva em que o veículo sai de traseira (as rodas traseiras perdem aderência antes), reduzindo o raio da curva. É raro em veículos de rua, por sua correção exigir maior habilidade do motorista, mas comum em modelos de competição, pois é apreciado pelos pilotos. Para corrigi-lo, em geral é preciso aumentar a aceleração enquanto se vira o volante para fora da curva.


Sonda lambda: ou sensor de oxigênio, é responsável por verificar, através de análise constante dos gases de escapamento, se a mistura ar-combustível despejada no motor está correta. Em caso de anormalidade, a central eletrônica é comunicada para corrigir a mistura.


Subabdominal: cinto de segurança com apenas dois pontos de ancoragem, nos dois lados do abdômen do usuário. O modelo de três pontos, além desta faixa, possui outra em diagonal passando pelo peito do ocupante.


Subesterço: comportamento em curva em que o veículo sai de frente (as rodas dianteiras perdem aderência antes), aumentando o raio da curva. É o mais comum em veículos de rua, por sua correção não exigir habilidade especial: em geral, basta aliviar o acelerador e virar o volante para dentro da curva para retomar a estabilidade.


Subchassi: elemento intermediário entre a suspensão (em geral dianteira, mas pode ser aplicado também à traseira) e o monobloco do veículo, que melhora a absorção de vibrações e irregularidades. Por si só, não melhora a estabilidade, mas o fabricante pode enrijecer um ou mais dos componentes da suspensão sem afetar o conforto, havendo então o benefício. É vantajoso também no reparo de acidentes que atinjam a suspensão, podendo eventualmente ser reparados sem intervenção no monobloco.


Sustentação: efeito aerodinâmico que tende a levar o veículo a erguer-se do solo, prejudicando a aderência e estabilidade. É o que causa a decolagem e a conservação no ar de um avião. Nos automóveis, pode ser reduzida com um desenho eficiente da carroceria e o emprego de spoiler e aerofólio. O efeito-solo (ground effect), gerado pelo fundo plano de antigos carros de Fórmula 1, visa a gerar sustentação negativa, pressionando o veículo contra o solo -- mas é difícil de aplicar a modelos de rua.


Transeixo: do inglês transaxle, diz-se de todo eixo motriz que contém a caixa de mudanças (transmissão + eixo). Pode ser traseiro ou dianteiro, mas não necessariamente acoplado ao motor. Alguns carros de motor dianteiro traziam conjunto câmbio-diferencial traseiro, como o Alfa Romeo 1750 Berlina, os Porsches 924/944 e o Plymouth Prowler; atualmente, Corvette e Maserati Coupé/Spyder.


Transmissão continuamente variável, CVT: possui uma correia ou corrente que liga duas polias de larguras variáveis. À medida em que as laterais de uma polia se afastam, a correia afunda em seu sulco; com as laterais mais próximas, ela corre superficialmente. Com movimentos contínuos e opostos (uma se abrindo, a outra se fechando), as polias alteram sensivelmente a relação de transmissão, como se houvessem marchas infinitas.


Trem de engrenagens epicicloidais: sistema de engrenagens constituído de uma engrenagem central (solar), por sua vez engrenada a uma coroa com dentes internos, mediante um trem contendo engrenagens chamadas planetárias. Dependendo de qual dos três elementos -- solar, planetárias e coroa -- seja imobilizado, a saída resultante ocorre sob diferentes relações de transmissão: de redução a multiplicação, e inversão (ré).


Turbocompressor de geometria variável: tipo de turbo que utiliza palhetas móveis na turbina, cuja geometria se modifica em função do regime de giros e da pressão de superalimentação. Com rotação e pressão baixas, as palhetas têm reduzida área de passagem dos gases, o que aumenta a velocidade desses gases: isso acelera o compressor, como se o turbo fosse de menor porte. À medida em que sobem os giros e a pressão do turbo, a posição das palhetas é controlada, aumentando-se a área de passagem dos gases e evitando que o fluxo seja ainda mais acelerado -- nesse momento, é como se o turbo fosse de grande capacidade.


Um-toque: função do controle elétrico de vidros que efetua a subida ou descida completa da janela a um único toque da tecla, podendo o movimento ser interrompido com outro toque. É particularmente útil nas paradas para pagamento de pedágio, pois permite mudar marchas e manter as mãos no volante por mais tempo.


Válvula de alívio: válvula usada para limitar a pressão de sobrealimentação do turbo. Como a turbina é acionada pelos gases de escapamento, a válvula de alívio cria um desvio para estes gases quando o turbo atinge a pressão máxima preajustada, impedindo que a pressão suba além deste patamar. Veja válvula pop-off.


Válvula pop-off: válvula usada para limitar a pressão de sobrealimentação do turbo. Quando a pressão máxima regulada é atingida, a válvula pop-off abre a linha de sobrealimentação, desviando o ar comprimido para atmosfera e limitando assim a pressão máxima. A vantagem deste sistema em relação à válvula de alívio é que ele mantém o turbo sempre em alta rotação, reduzindo o retardo do turbo (turbo-lag) e tornando as reações do motor mais rápidas. Mas isso provoca um desgaste excessivo do turbo, pois ele trabalhará sempre em rotação máxima.


Variador de fase: sistema mais simples e barato que o comando variável, mas com o mesmo intuito de fazer variar o tempo de cruzamento das válvulas. Isso é feito através da alteração de posicionamento do comando -- em geral apenas o das válvulas de admissão, mas em alguns casos também o de escapamento. O comando pode ser adiantado, por exemplo, em 25 graus em regimes elevados para propiciar melhor enchimento dos cilindros.

_________________


Voltar ao topo
 Perfil  
 

MensagemEnviado: 12 Fev 2008, 14:32 
Offline
Kadetteiro Residente
Kadetteiro Residente
Avatar de usuário

Data de registro: 27 Mai 2007, 12:19
Mensagens: 1906
Localização: São Bernardo do Campo - SP
Belo glossário Athos! :aplausos: :aplausos:

Abraço.


Voltar ao topo
 Perfil  
 

MensagemEnviado: 12 Fev 2008, 15:13 
Offline
Kadetteiro Residente
Kadetteiro Residente
Avatar de usuário

Data de registro: 17 Abr 2007, 01:20
Mensagens: 5079
Localização: Mauá - SP
ATHOS, roberto, sugiro trancar o tópico e mante-lo fixo, pra melhor apresentação do mesmo...

_________________
Legalizo Turbo, Rebaixado e etc. Acesse: www.querolegalizar.com.br
Kadett GL 1.8 Turbo 94/95 Álcool, VE, TE, LT, TT, AQ, CB, RD, PD, Am Capô, Xenon, DVD

Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

MensagemEnviado: 12 Fev 2008, 15:36 
Offline
Kadetteiro Residente
Kadetteiro Residente

Data de registro: 28 Abr 2007, 14:14
Mensagens: 1300
Localização: Rio de Janeiro - RJ
show de bola, se possível tranforme os (saiba mais) em links.. acho q sua intenção era essa mesmo né...

_________________
Kadett GSI Preto - Em obra.

Estou de volta !


Voltar ao topo
 Perfil  
 

MensagemEnviado: 13 Fev 2008, 21:12 
Offline
Kadetteiro Residente
Kadetteiro Residente

Data de registro: 28 Abr 2007, 14:14
Mensagens: 1300
Localização: Rio de Janeiro - RJ
Citação:
Coletor de admissão de geometria variável: possui dois dutos, um mais curto e outro mais longo. Uma borboleta, gerenciada pela central eletrônica, determina se o ar aspirado deve fazer um percurso ou outro. Se ela está fechada, o ar vai para o duto longo; se está aberta, vai para o duto curto. Uma vez que coletores curtos favorecem a potência e coletores longos melhoram o torque em baixas rotações, esse mecanismo faz com que o motor trabalhe sempre na configuração mais adequada ao regime de giros utilizado.


Pensei que esse sistema ficasse no escape...

_________________
Kadett GSI Preto - Em obra.

Estou de volta !


Voltar ao topo
 Perfil  
 

MensagemEnviado: 14 Fev 2008, 17:16 
Offline
Kadetteiro Residente
Kadetteiro Residente
Avatar de usuário

Data de registro: 06 Nov 2006, 07:14
Mensagens: 3004
Localização: Mauá - SP
Muito interessante o clossário... boa idéia !!! :positivo:

_________________
Adilson KADETT GSi
Nossa que Carro é aquele ???? ................ é um G........ S ............ iiiiiiii...... vrunn, sumiu !!!
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

MensagemEnviado: 27 Fev 2008, 16:17 
Visitante
Visitante
Parabénsssssss em :ooohhh:
:palmas: :palmas: :palmas: :palmas:


Voltar ao topo
  
 

MensagemEnviado: 16 Mar 2008, 19:09 
Offline
Membro Veterano
Membro Veterano
Avatar de usuário

Data de registro: 02 Mar 2008, 19:36
Mensagens: 323
Localização: Marília - SP
materia muito boa valeww athos!!!

_________________
GSI 92 LEGALIZADO SUSPENÇÃO NA FIXA COMPLETO AROS 17 FAROL DYAMOND VIZION 5000K MILHAS XENON 6000K KIT SHUTT COMPLETO.

Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

MensagemEnviado: 05 Ago 2008, 19:33 
Visitante
Visitante
bem boa matéria mesmo :positivo:


Voltar ao topo
  
 

Re: Preparação - Glossário de termos técnicos
MensagemEnviado: 15 Jan 2009, 08:15 
Visitante
Visitante
MUITO LEGAL PARABENS :palmas: :palmas: :palmas: :palmas:


Voltar ao topo
  
 

Re: Preparação - Glossário de termos técnicos
MensagemEnviado: 20 Jan 2009, 22:46 
Offline
Membro Master
Membro Master
Avatar de usuário

Data de registro: 31 Jul 2008, 22:27
Mensagens: 830
Localização: São Paulo - ZN
talvez agora eu consiga entender os outros topicos... ahuahuah

_________________
KADETT GL 2.0 AZUL 95IGNORANTE
COMPLETO + PAINEL GLS / ESCAPE GSi / RODAS 15"
Imagem
Meu Kadett > viewtopic.php?f=27&t=6314


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Preparação - Glossário de termos técnicos
MensagemEnviado: 18 Dez 2010, 04:41 
Offline
Membro Nato
Membro Nato
Avatar de usuário

Data de registro: 05 Out 2010, 09:28
Mensagens: 1056
Localização: São Paulo,itaquera
bom to com minha criança turbinada qdo ele sobe o giro ele da uma prendida,ele é 4 bicos de audi de alta vazão ando com 0.8 de pressão....n sei o q acontece?

_________________
Imagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Preparação - Glossário de termos técnicos
MensagemEnviado: 18 Dez 2010, 05:54 
Offline
Membro Nato
Membro Nato
Avatar de usuário

Data de registro: 23 Jul 2008, 16:22
Mensagens: 1228
Localização: Uberlândia
Felipe Cabelo escreveu:
talvez agora eu consiga entender os outros topicos... ahuahuah


:maisum:

huahauhuha

_________________
Fabrício Tomaz - Kadett GLS 98 2.0 MPFI
UP's DONE: PD Euro, Lanternas e Piscas Cristal
NEXT UP's: Capô GSI, Teto Solar Elétrico, Freio Traseiro a Disco, 2.0T MPFI


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Preparação - Glossário de termos técnicos
MensagemEnviado: 16 Nov 2011, 15:48 
Offline
Membro Nato
Membro Nato
Avatar de usuário

Data de registro: 14 Ago 2009, 15:06
Mensagens: 6261
Localização: Sao Paulo SP
Show, era o que procurava tambem!!!

_________________
VENDO KADETT GL 1997 MPFI 2.0 gasolina + GNV
Aro 15 Astra Sport PNEUS MAXXIS VICTRA MA Z1
DH, V.E, T.E, PD, Capo GSI, Kit GNV 3 geração Tury, relogio digital, som mp3 h busther
Alarme + bloqueador
r$ 7,500


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Re: Preparação - Glossário de termos técnicos
MensagemEnviado: 12 Dez 2013, 10:58 
Offline
Membro Sênior
Membro Sênior
Avatar de usuário

Data de registro: 29 Set 2011, 21:50
Mensagens: 110
Localização: itaquaquecetuba
:positivo: :positivo: :positivo:
ATHOS escreveu:
Preparação - Glossário de termos técnicos


Acelerador eletrônico (drive-by-wire): comando de acelerador em que o movimento do pedal é transmitido para a central eletrônica do motor. Esta então analisa o movimento e outras condições, como a rotação do motor, para comandar a abertura da borboleta de aceleração, que é feita por um motor elétrico. Além de eliminar o cabo, que pode se desgastar ou transmitir vibrações vindas do motor, o sistema facilita obter suavidade quando se acelera ou se tira o pé rapidamente, evitando trancos.


Acionamento de válvulas por alavanca roletada: sistema utilizado no comando de válvulas de alguns motores (como os atuais 1,0 e 1,6 da Ford, Renault e Volkswagen) que utiliza roletes nas alavancas tipo dedo, responsáveis por acionar as válvulas. A solução reduz o atrito e permite utilizar perfil de cames mais esportivo (saiba mais).


Árvore de balanceamento: espécie de eixo acionado por engrenagens, que gira em sentido contrário ao do virabrequim e em geral com o dobro de sua velocidade. O objetivo é anular as forças de inércia de segunda ordem, que provocam vibrações e aspereza ao motor (saiba mais).


Aspirado: ou naturalmente aspirado; diz-se do motor que não recorre a nenhum tipo de sobrealimentação, como turbo ou compressor mecânico. No motor aspirado o ar é admitido por aspiração natural e não "empurrado" por um sistema compressor. A expressão "aspirar o motor" não é correta, mas pretende referir-se à preparação efetuada num motor aspirado sem uso de sobrealimentador.


Assistência adicional de frenagem: sistema introduzido pela Mercedes-Benz, que o denomina BAS, corrige a aplicação insuficiente de pressão no pedal do freio pelo motorista, em freadas de emergência, ou compensa o alívio dessa pressão quando o pedal pulsa, por causa da atuação do antitravamento (ABS). Testes demonstraram que muitos motoristas incorrem nestes erros, desperdiçando o potencial de frenagem do automóvel. O BAS detecta a rapidez de acionamento do freio e amplia sua atuação, reduzindo os espaços de imobilização em até 45%, segundo a Mercedes.


Balanço: no sentido dimensional, é a medida entre o centro de uma roda e aquela extremidade do veículo. Portanto, a soma dos balanços dianteiro e traseiro à distância entre eixos resulta no comprimento total do veículo. A tendência atual é de balanços cada vez menores, pois o entreeixos vem crescendo na maioria dos automóveis sem alteração significativa no comprimento.


Barra de amarração: ou stress-bar, é um elemento metálico que interliga as torres de uma suspensão, a fim de reduzir a movimentação do chassi provocada pelas solicitações em curvas fortes. O objetivo é manter inalterada a geometria da suspensão, com ganho em estabilidade. Pode ser montada à frente ou atrás, bem como ser conectada a um terceiro ponto, estabelecendo uma triangulação que acentua seu efeito. Entre os carros nacionais equipa o novo Fiesta e equipava os Omegas 3,0 e 4,1.


Batente hidráulico: dispositivo aplicado ao amortecedor para suavizar o movimento de distensão (abertura) do componente, como ao passar por uma lombada de perfil alto ou descer de uma calçada. Sem ele, o amortecedor emite um ruído ao atingir o batente. Adotá-lo é providência relativamente comum no processo de adaptação de um carro à produção nacional.


Booster: equipamento ou sistema desenvolvido para aumentar, por certo período de tempo, a pressão de sobrealimentação de um motor. Seu uso normal seria para aumentar momentaneamente a pressão acima do projetado para o motor, afim de ter potência extra para uma arrancada ou retomada. Mas muitos preparadores preferem fazer motores dimensionados para a pressão de booster, prevendo que o usuário poderá utilizar esta pressão por um tempo prolongado.


Boxer: motor com cilindros opostos pela base, podendo ter apenas dois (como em motos BMW, Citroën 2CV e Dyna Panhard), quatro (Fusca, Porsches 356 e 912, a maioria dos Subarus), seis (Chevrolet Corvair, Porsche 911 e Boxster) ou mesmo 12 (Ferrari Testarossa, Berlinetta Boxer). A disposição tem como vantagens a baixa altura, que permite adotar um capô mais baixo (para melhor aerodinâmica) ou montá-lo em posição inferior no chassi (para baixar o centro de gravidade). O nome origina-se da semelhança do movimento de seus pistões ao dos braços de um boxeador durante uma luta. Normalmente é montado em posição horizontal, mas pode ser vertical, como em certos helicópteros mais antigos, de motor a pistão.


Câmara de combustão hemisférica: assim chamada porque seu formato é aproximadamente de uma semi-esfera, ao contrário de outras dos mais variados aspectos, tem como vantagem a posição central da vela de ignição, portanto eqüidistante de todos os pontos da câmara. Esta é a melhor condição para uma combustão por igual, um dos fatores que reduzem as possibilidades de detonação.


Câmbio 4+E: chama-se assim, com o E significando economia, o câmbio de cinco marchas em que a quinta, por sua relação longa, não permite aumento da velocidade máxima, esta sendo atingida em quarta. O efeito de uma quinta marcha longa é a redução das rotações em viagem, com benefícios ao nível de ruído e à economia de combustível. Em contrapartida, esse tipo de câmbio requer reduções de marcha mais freqüentes em aclives e ultrapassagens. Saiba mais.


Cárter seco: sistema de lubrificação em que o óleo não fica depositado num cárter convencional, na parte inferior do motor, mas em um reservatório separado em outra localização do veículo. A maior vantagem é a possibilidade de montar o motor mais baixo no chassi, baixando o centro de gravidade e melhorando o comportamento dinâmico.


Cfm ou pés3/min: siglas para o inglês cubic feet per minute e sua tradução em português, pés cúbicos por minuto, são a medida americana de vazão, usada normalmente para indicar a capacidade máxima de um carburador.


Close-ratio: indica relações de marcha "fechadas", ou mais próximas entre si se comparadas às de um câmbio wide-ratio (relações afastadas). Um câmbio com essa característica provoca pequena queda de rotações nas trocas de marcha ascendentes, tornando-se adequado a motores mais esportivos, em que a potência e o torque máximo manifestam-se numa faixa de giros estreita.


Código de velocidade: especificação do pneu que define a máxima velocidade que o veículo pode desenvolver, com carga máxima e por um certo período, sem o risco de perder a banda de rodagem por causa da força centrífuga (que tende a expulsá-la do pneu). Na medida 185/60 R 14 H, por exemplo, é representada pela letra H, que por convenção significa 210 km/h.


Coeficiente aerodinâmico (Cx): valor que exprime a maior ou menor facilidade com que o veículo rompe o ar a sua frente. Quanto menor o valor, mais fácil esse rompimento e, por conseqüência, menor o consumo de combustível em uma mesma velocidade. Um bom valor hoje, em carros de passeio, é 0,30. Automóveis mais curtos em geral têm pior Cx, assim como picapes. Saiba mais sobre aerodinâmica.


Coletor de admissão de geometria variável: possui dois dutos, um mais curto e outro mais longo. Uma borboleta, gerenciada pela central eletrônica, determina se o ar aspirado deve fazer um percurso ou outro. Se ela está fechada, o ar vai para o duto longo; se está aberta, vai para o duto curto. Uma vez que coletores curtos favorecem a potência e coletores longos melhoram o torque em baixas rotações, esse mecanismo faz com que o motor trabalhe sempre na configuração mais adequada ao regime de giros utilizado.


Coletor de escapamento dimensionado: feito de forma a permitir menor restrição ao fluxo de gases de escapamento e com a resistência ao fluxo igual para todos os cilindros. Isso não implica que o comprimento dos tubos seja o mesmo, mas que ofereçam uma mesma resistência. A nomenclatura AxB significa A tubos de entrada, em geral igual ao número de cilindros, e B tubos de saída, no final do sistema de escapamento. Por exemplo, 4x1 ou 4-em-1.


Comando de válvulas variável: sistema de controle das válvulas, responsáveis pela admissão de mistura ar-combustível e saída de gases queimados do motor, que atua em duas ou mais configurações (diagramas). No caso do VTEC da Honda, cada par de válvulas possui três ressaltos: dois iguais nas extremidades e um diferente no meio. Em rotações baixas e médias, apenas os ressaltos externos, "mansos", acionam as válvulas. Atingido um regime predeterminado, a pressão do óleo do motor, comandada eletronicamente, coloca em funcionamento o ressalto "bravo" central. O motor assume então um novo diagrama de comando, com maior abertura e levantamento, que transforma seu desempenho e o leva até rotações incomuns. Outras marcas possuem sistemas similares, como o Double VANOS da BMW e o VVTi da Toyota.


Controlador de velocidade de cruzeiro: ou controle automático de velocidade, é um sistema que mantém a velocidade estabelecida pelo motorista sem o uso do acelerador. Compensa, dentro do possível, as variações causadas pela topografia da estrada (subidas e descidas), além de se desligar ao ser pressionado o freio ou a embreagem. Também conhecido, de forma imprecisa, por piloto automático.


Controle de estabilidade (ESP): sistema de segurança destinado a corrigir derrapagens e recolocar o veículo na trajetória desejada. Atua reduzindo ou interrompendo a potência do motor e freando individualmente uma ou mais rodas, sem qualquer intervenção do motorista. No Brasil surgiu com o Mercedes Classe A e aos poucos vem equipando outros modelos, como Golf GTI e Stilo Abarth. Saiba mais

Desligamento automático de cilindros: sistema utilizado pela Mercedes em seus mais novos motores V8 e V12, que desliga quatro ou seis dos cilindros nos regimes baixos e médios de rotação. Representa economia adicional de até 15% a 90 km/h constantes, no caso do V8 de 5 litros. Os cilindros voltam a trabalhar de imediato se o motorista acelerar. O sistema diminui a potência máxima do motor, mas mantém o mesmo valor de torque máximo.


Desmodrômico: tipo de comando de válvulas que utiliza balancins de comando hidráulico, fixos aos comandos e às válvulas, tanto para abri-las quanto para fechá-las, dispensando as molas. Isso evita o fenômeno da flutuação de válvulas em alta rotação, permite aumentar a duração do comando, mantendo-as abertas por mais tempo, e adotar perfis de cames acentuados -- nos dois casos, melhora o enchimento dos cilindros.


Detonação: combustão espontânea da mistura ar-combustível após a ocorrência da centelha na vela de ignição. Leva ao aparecimento de mais de uma frente de chama, que ao se chocarem elevam subitamente a pressão e a temperatura na câmara de combustão. Provoca um ruído metálico ("grilo") que se assemelha ao de bolinhas de gude dentro de um copo -- no vocabulário comum, "batida de pino". É causada em geral por taxa de compressão muito elevada, ponto de ignição muito avançado, vela de especificação incorreta ou combustível de baixa qualidade. Se persistir por algum tempo, a elevação de temperatura pode levar a uma trinca no cabeçote, um furo na cabeça do pistão ou à fundição do cilindro.


Direção com assistência elétrica: sistema em que um motor elétrico substitui a bomba hidráulica da assistência convencional. Entre as vantagens estão menor consumo de energia do motor, ausência de fluido (o que reduz a manutenção e é benéfico ao meio-ambiente) e a facilidade ao fabricante de ampliar a assistência quando desejado, como no sistema Dual Drive do Fiat Stilo (um botão no console aciona a função City, que torna a direção 50% mais leve).


Eixo autodirecional: utilizado na suspensão traseira de modelos Peugeot e Citroën, entre outros, faz com que a roda externa à curva assuma posição convergente sob carga, ou seja, vire-se em pequeno ângulo na mesma direção das rodas dianteiras. Previne o sobresterço ou saída de traseira, comportamento de correção mais difícil, pelo motorista comum, que o subesterço ou saída de frente.


Eixo traseiro De Dion: construção para o eixo traseiro rígido em que o diferencial está suspenso e não incluído no próprio eixo, o que reduz a massa não-suspensa e melhora o comportamento da suspensão. Foi muito utilizado em carros de alto desempenho nas décadas de 60 e 70, quando suspensões traseiras independentes eram pouco comuns.


Eletroidráulica: tipo de assistência de direção em que a bomba é acionada por um servomotor elétrico, acoplado à coluna de direção, e não mais pelo próprio motor, via correia. Com isso, consome menos energia do motor e torna a assistência independente do regime de giros.


Estol: do inglês stall, indica o regime máximo de rotações que uma transmissão automática permite ao motor com uma marcha engatada e o veículo retido pelos freios. Em geral fica entre 2.000 e 3.000 rpm. Uma rotação de estol mais elevada permite aceleração mais rápida.


Fastback: traduzível por "traseira de queda rápida", é uma configuração de carroceria de dois volumes e com a traseira inclinada, tanto quanto num hatchback. A diferença entre estes é que no fastback o vidro traseiro não está incorporado à tampa do porta-malas. São exemplos: Volkswagen TL, Passat de duas e quatro portas.


Flutuação de válvulas: fenômeno que ocorre em rotações excessivamente altas, em que as válvulas não conseguem abrir e fechar com a rapidez necessária, tornando então irregular o enchimento e a exaustão de gases dos cilindros.


Fluxo cruzado: cross flow em inglês, é a configuração do cabeçote em que a admissão se processa por um lado e o escapamento pelo outro. Permite uma combustão mais perfeita e menores emissões poluentes. Como exemplo, o motor VW 2,0 importado (Golf, Bora, Beetle) possui fluxo cruzado, mas não seu equivalente nacional (Gol, Santana).


Injeção de óxido nitroso: popularmente conhecido por nitro, é um sistema de preparação que consiste em injetar um gás, o óxido nitroso (N2O), junto a uma quantidade adicional de combustível no motor. Ao entrar em contato com o calor da câmara de combustão, o N2O se dissocia em oxigênio e nitrogênio. O oxigênio atua então como comburente para o combustível e o nitrogênio resfria a câmara, ajudando a evitar a detonação ou a pré-ignição.


Injeção de óxido nitroso, configuração em coletor úmido: consiste em colocar o(s) injetor(es) do kit nitro antes da borboleta de admissão. Esta configuração é a mais simples, mas é a de menor eficiência, recomendada para kits com aumento de potência inferior a 120 cv. A expressão coletor úmido deriva do fato de a mistura injetada passar pel o coletor.


Injeção de óxido nitroso, configuração em coletor seco: consiste em colocar os injetores do kit nitro após a borboleta de admissão. Esta configuração é a mais complexa, mas atinge maior eficiência, sendo recomendada para kits com aumento de potência superior a 120 cv.


Injeção seqüencial: tipo de injeção de combustível multiponto que injeta a mistura em seqüência, no exato momento da admissão de cada cilindro (este momento varia ligeiramente, pois os pistões não se movem no mesmo exato momento). Permite ligeiro ganho de potência e redução no consumo se comparada à injeção multiponto simultânea, convencional. No Brasil foi introduzida em 1993, no Vectra GSi 2,0 16V, e hoje equipa a maioria dos motores a gasolina e a álcool.


Massa não-suspensa: compreende todos os componentes que não ficam suspensos pelas molas da suspensão do veículo, como rodas, pneus, discos e tambores de freio. Quanto menor essa massa, melhor o comportamento da suspensão em pisos irregulares, maior a aceleração e mais eficientes as frenagens.


Método carga: modo de condução em que se usa maior abertura de acelerador (carga) e menor rotação para obter o mesmo desempenho. É a forma mais econômica de se dirigir em motores do ciclo Otto (gasolina, álcool, gás natural) de quatro tempos (saiba mais).


Monobloco: estrutura em que chassi e carroceria formam uma única peça. Hoje utilizado em todos os automóveis, proporciona menor peso e melhor comportamento dinâmico que o tradicional chassi de longarinas, ainda bastante empregado em utilitários.


Octanas RON e MON: as octanas indicam a octanagem da gasolina, que representa sua resistência à detonação. Quanto maior a octanagem, menos provável a detonação, portanto mais elevada pode ser a taxa de compressão (para melhores desempenho e consumo) sem riscos para o motor. O método RON, utilizado pelos europeus, obtém números mais altos que o MON (nos EUA usa-se a média aritmética entre MON e RON). Pelos números RON, a gasolina Podium atinge 101 octanas, a premium 98 e a comum/aditivada 95. Pelo padrão IAD, usado nos EUA, a Podium tem 95 octanas, a premium 91 e a comum/aditivada 87.


Panhard: barra destinada a promover a locação transversal de um eixo de automóvel quando as molas são do tipo helicoidal. A barra Panhard une o eixo ao chassi. Com molas tipo flexão (lâmina única ou em feixe), são elas próprias que se encarregam da locação transversal.


Potência bruta: obtida em método de medição em que o motor fica dispensado de movimentar os sistemas de apoio, como alternador e bomba d'água, e é medido sem silenciadores que causem restrições no sistema de escapamento. Como esses sistemas consomem potência para funcionar, sua retirada na medição resulta em valor de potência bem mais alto. Mas o motor não pode trabalhar sem seus sistemas de apoio, nem o carro circular por ruas sem silenciador, o que levou a uma normatização a respeito. Os fabricantes passaram então a ter de divulgar a potência líquida, ou seja, aquela obtida com o motor movimentando todos os componentes.


Potência específica: fator expresso em cv/l (cavalos por litro) e obtido com a divisão da potência máxima pela cilindrada. Expressa o desenvolvimento do motor em termos de esportividade: quanto mais alta a potência específica, mais alto tende a ser o regime em que se observa o torque máximo, o que se reflete em menor força em baixas rotações.


Pré-ignição: muitas vezes confundida com a detonação, é a combustão espontânea da mistura ar-combustível antes do aparecimento da centelha na vela, daí não apresentar como sintoma o ruído metálico conhecido como "grilo". Leva a aumento de temperatura e pressão na câmara de combustão e queda no rendimento, podendo furar pistões, derreter velas ou fundir o motor. O sintoma é a brusca elevação da temperatura do motor estando todo o sistema de refrigeração em ordem.


Punta-tacco: ponta e salto (do sapato) em italiano, é um recurso utilizado para elevar a rotação do motor nas reduções de marcha, por meio de uma breve acelerada, antes de soltar o pedal de embreagem. Para essa acelerada enquanto se está freando, a ponta é colocada no pedal de freio e o salto (na verdade o lado direito do sapato) no acelerador. Assim, conseguem-se movimentar três pedais com dois pés. A técnica é muito útil também ao arrancar numa subida, dispensando o uso do freio de estacionamento.


Ram Air Induction: ou sistema de admissão induzida, consiste em uma tubulação de admissão que aproveitar a energia cinética do ar que vai de encontro à frente do veículo para induzir a admissão nos cilindros. O efeito é algo semelhante ao que faria um compressor tipo Roots ou blower, mas em escala bem menor.


Relação r/l: fator do projeto de motores que relaciona o meio-curso dos pistões (raio da manivela do virabrequim) e o comprimento das bielas (medido entre os centros dos furos). Se a divisão dessas grandezas superar 0,3, surgem forças que produzem vibração e aspereza no motor e prejudicam o desempenho, sobretudo em regime elevado. Saiba mais


Remapeamento de injeção: é a reprogramação do chip ("cérebro") do sistema eletrônico que controla a injeção e, em geral, também a ignição do motor. Se efetuado com critério, pode resultar em ganho de potência e torque da ordem de 10%, sendo um dos meios mais baratos de aumentar o desempenho de um motor a injeção. Pode também ser efetuado para adaptar o motor à instalação de componentes como um turbocompressor.


Resfriador de ar ou intercooler: sistema de troca de calor que pode ser adotado em motores superalimentados (com turbo ou compressor). Similar a um radiador, reduz a temperatura do ar que passou pelo compressor antes que se misture ao combustível. O ar frio é mais denso, ocupa menos espaço e por isso uma maior quantidade pode ser comprimida para dentro dos cilindros, o que aumenta o enchimento destes e, por conseqüência, o rendimento volumétrico. Também concorre para afastar o risco de detonação.


Sensor de detonação: sensor instalado nas câmaras de combustão, dentro dos cilindros, que detecta a ocorrência de detonação. A central eletrônica, então, comanda que o ponto de ignição seja atrasado até que cesse a detonação. Motores com esse recurso podem utilizar curva de ignição mais avançada e/ou taxa de compressão mais alta sem riscos de danos por detonação.


Sensor de oxigênio: também chamado de sonda lambda, é instalado no sistema de escapamento para analisar a qualidade da combustão da mistura ar-combustível, detectando se houver excesso de combustível (mistura rica) ou sua falta (mistura pobre). Em qualquer dos casos, a informação é transmitida para a central eletrônica do motor, para que reajuste a mistura.


Sincronizada: marcha que possui sincronizador e, por isso, pode ser engatada com o veículo em movimento. É o caso das marchas à frente de todos os automóveis atuais e da marcha a ré de alguns modelos, como Mercedes Classe A e Vectra desde 2001. No início da indústria brasileira os automóveis tinham primeira marcha "seca", sem sincronizador, o que exigia a parada do veículo para seu engate.


Sobresterço: comportamento em curva em que o veículo sai de traseira (as rodas traseiras perdem aderência antes), reduzindo o raio da curva. É raro em veículos de rua, por sua correção exigir maior habilidade do motorista, mas comum em modelos de competição, pois é apreciado pelos pilotos. Para corrigi-lo, em geral é preciso aumentar a aceleração enquanto se vira o volante para fora da curva.


Sonda lambda: ou sensor de oxigênio, é responsável por verificar, através de análise constante dos gases de escapamento, se a mistura ar-combustível despejada no motor está correta. Em caso de anormalidade, a central eletrônica é comunicada para corrigir a mistura.


Subabdominal: cinto de segurança com apenas dois pontos de ancoragem, nos dois lados do abdômen do usuário. O modelo de três pontos, além desta faixa, possui outra em diagonal passando pelo peito do ocupante.


Subesterço: comportamento em curva em que o veículo sai de frente (as rodas dianteiras perdem aderência antes), aumentando o raio da curva. É o mais comum em veículos de rua, por sua correção não exigir habilidade especial: em geral, basta aliviar o acelerador e virar o volante para dentro da curva para retomar a estabilidade.


Subchassi: elemento intermediário entre a suspensão (em geral dianteira, mas pode ser aplicado também à traseira) e o monobloco do veículo, que melhora a absorção de vibrações e irregularidades. Por si só, não melhora a estabilidade, mas o fabricante pode enrijecer um ou mais dos componentes da suspensão sem afetar o conforto, havendo então o benefício. É vantajoso também no reparo de acidentes que atinjam a suspensão, podendo eventualmente ser reparados sem intervenção no monobloco.


Sustentação: efeito aerodinâmico que tende a levar o veículo a erguer-se do solo, prejudicando a aderência e estabilidade. É o que causa a decolagem e a conservação no ar de um avião. Nos automóveis, pode ser reduzida com um desenho eficiente da carroceria e o emprego de spoiler e aerofólio. O efeito-solo (ground effect), gerado pelo fundo plano de antigos carros de Fórmula 1, visa a gerar sustentação negativa, pressionando o veículo contra o solo -- mas é difícil de aplicar a modelos de rua.


Transeixo: do inglês transaxle, diz-se de todo eixo motriz que contém a caixa de mudanças (transmissão + eixo). Pode ser traseiro ou dianteiro, mas não necessariamente acoplado ao motor. Alguns carros de motor dianteiro traziam conjunto câmbio-diferencial traseiro, como o Alfa Romeo 1750 Berlina, os Porsches 924/944 e o Plymouth Prowler; atualmente, Corvette e Maserati Coupé/Spyder.


Transmissão continuamente variável, CVT: possui uma correia ou corrente que liga duas polias de larguras variáveis. À medida em que as laterais de uma polia se afastam, a correia afunda em seu sulco; com as laterais mais próximas, ela corre superficialmente. Com movimentos contínuos e opostos (uma se abrindo, a outra se fechando), as polias alteram sensivelmente a relação de transmissão, como se houvessem marchas infinitas.


Trem de engrenagens epicicloidais: sistema de engrenagens constituído de uma engrenagem central (solar), por sua vez engrenada a uma coroa com dentes internos, mediante um trem contendo engrenagens chamadas planetárias. Dependendo de qual dos três elementos -- solar, planetárias e coroa -- seja imobilizado, a saída resultante ocorre sob diferentes relações de transmissão: de redução a multiplicação, e inversão (ré).


Turbocompressor de geometria variável: tipo de turbo que utiliza palhetas móveis na turbina, cuja geometria se modifica em função do regime de giros e da pressão de superalimentação. Com rotação e pressão baixas, as palhetas têm reduzida área de passagem dos gases, o que aumenta a velocidade desses gases: isso acelera o compressor, como se o turbo fosse de menor porte. À medida em que sobem os giros e a pressão do turbo, a posição das palhetas é controlada, aumentando-se a área de passagem dos gases e evitando que o fluxo seja ainda mais acelerado -- nesse momento, é como se o turbo fosse de grande capacidade.


Um-toque: função do controle elétrico de vidros que efetua a subida ou descida completa da janela a um único toque da tecla, podendo o movimento ser interrompido com outro toque. É particularmente útil nas paradas para pagamento de pedágio, pois permite mudar marchas e manter as mãos no volante por mais tempo.


Válvula de alívio: válvula usada para limitar a pressão de sobrealimentação do turbo. Como a turbina é acionada pelos gases de escapamento, a válvula de alívio cria um desvio para estes gases quando o turbo atinge a pressão máxima preajustada, impedindo que a pressão suba além deste patamar. Veja válvula pop-off.


Válvula pop-off: válvula usada para limitar a pressão de sobrealimentação do turbo. Quando a pressão máxima regulada é atingida, a válvula pop-off abre a linha de sobrealimentação, desviando o ar comprimido para atmosfera e limitando assim a pressão máxima. A vantagem deste sistema em relação à válvula de alívio é que ele mantém o turbo sempre em alta rotação, reduzindo o retardo do turbo (turbo-lag) e tornando as reações do motor mais rápidas. Mas isso provoca um desgaste excessivo do turbo, pois ele trabalhará sempre em rotação máxima.


Variador de fase: sistema mais simples e barato que o comando variável, mas com o mesmo intuito de fazer variar o tempo de cruzamento das válvulas. Isso é feito através da alteração de posicionamento do comando -- em geral apenas o das válvulas de admissão, mas em alguns casos também o de escapamento. O comando pode ser adiantado, por exemplo, em 25 graus em regimes elevados para propiciar melhor enchimento dos cilindros.


Voltar ao topo
 Perfil  
 

Mostrar mensagens anteriores:  Organizar por  
Criar novo tópico Responder Tópico  [ 15 Mensagens ] 

Todos os Horários estão como UTC - 3 horas


Quem está online

Usuários vendo este fórum: Nenhum usuário registrado online e 2 visitantes


Você não pode criar novos tópicos neste fórum
Você não pode responder tópicos neste fórum
Você não pode editar suas mensagens neste fórum
Você não pode excluir suas mensagens neste fórum
Você não pode enviar anexos neste fórum

Ir para: